Destaques

CORRETORES DA REGIÃO NOROESTE RECEBERAM DUAS EXCELENTES PALESTRAS

A forma didática e objetiva com que o Diretor de Marketing do Sincor-RS, André Thozeski, explica os detalhes do Supersimples tem levado dezenas de colegas às suas palestras. Exemplo disso ocorreu no dia 3/12 (quarta-feira), em Santo Ângelo.

Sua exposição esclarecedora orientou os corretores no processo de migração do regime tributário das suas empresas corretoras (lucro real ou lucro presumido) para o Super Simples. Já aqueles que operam como Pessoa Física foram estimulados a avaliar a abertura de uma pequena empresa corretora para, com isso, reduzir seu custo tributário em até 65%.

SÉRGIO RANGEL

Na sequencia, Sérgio Rangel encantou os participantes com sua palestra “Arquitetura de Escolhas, uma nova abordagem de comercialização de seguros e previdência”. Este ciclo de palestras é patrocinado pela FUNENSEG.

O Delegado Neri Antônio Minuzzi e o Sub Delegado Luis Roberto Eickhoff foram os anfitriões do encontro de trabalho e receberam corretores de várias cidades da região noroeste. O Sincor-RS foi representado na ocasião pelos seus Diretores André Thozeski e Jorge Jaeger.

Nota de falecimento

O Sincor-RS comunica com profundo pesar o falecimento do colega Luiz Felipe Caleffi, ocorrido ontem (3/12). A cerimônia de cremação ocorre hoje (4) às 16 horas, no Crematório Metropolitano São Jose – Avenida Profesor Oscar Pereira518, Porto Alegre.

Delegacia Vale do Sinos do Sincor-RS abre inscrições para palestra “Vendendo cada vez melhor”

Os corretores de seguros do Vale dos Sinos não podem perder esta palestra: no dia 16 de dezembro, a partir das 19 horas, na CDL de Novo Hamburgo (Rua Domingos de Almeida, 708 – Centro), a Delegacia Regional do Sincor-RS promove a palestra “Vendendo cada vez melhor”, com o Diretor Executivo do Instituto Cada Vez Melhor, Daniel Müller. As inscrições estão abertas: R$ 25,00 mais um brinquedo para sócios do Sincor-RS e R$ 50 ,00 mais um brinquedo, para não sócios

PARA VENDER MAIS E MELHOR

A atividade objetiva integrar, motivar e sensibilizar os participantes, ampliando os limites da zona de conforto e desenvolvendo competências, comportamentos e técnicas focadas em vendas, que criem valor e ganhos para os clientes e para a a empresa. A Delegada Regional Tânia Rosa covida:

– Com este excelente evento, encerraremos o ano de 2014. Contamos com a presença de Corretores, funcionários de Corretoras, Seguradoras, Securitários, prestadores de serviços, familiares e amigos. INFORMAÇÕES: sincoreventos@sincor-rs.org.br | (51) 3225-7726.

CORRETORES ASSOCIADOS DE SANTO ÂNGELO RECEBEM DIRETORES DO SINCOR

A equipe da Cineral Corretora recebeu com chimarrão e carinho os Diretores do Sincor . Também o corretor Aquino Roberto dos Passos Antubes foi visitado em seu escritório.

As visitas aconteceram na quarta-feira 3/12 pelos Diretores André Thozeski e Jorge Jaeger, com o Delegado Neri Minuzzi.

DELEGACIA DA REGIÃO PLANALTO REUNIU CORRETORES PARA A PALESTRA “ARQUITETURA DE ESCOLHAS, UMA NOVA ABORDAGEM DE COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA”

Os corretores da Região Planalto reuniram-se na terça-feira (2/12) em Passo Fundo para assistir à palestra de Sérgio Rangel, que foi muito elogiada . Vários colegas vieram de cidades distantes para prestigiar a iniciativa da Delegacia. Este ciclo de palestras é patrocinado pela FUNENSEG.

O Delegado Regional Aido Fante organizou o evento na sede da ACISA. . O Sincor-RS foi representado na ocasião pelo seu Vice Presidente Celso Marini e pelos seus Diretores André Thozeski e Jorge Jaeger.

SINCOR-RS VISITA CORRETORES EM PASSO FUNDO

A Diretoria do Sincor-RS segue com seu propósito de visitar todos os corretores associados do estado. Na terça-feira 2/12 os Diretores André Thozeski e Jorge Jaeger e o Delegado Aido Fante foram recebidos na corretora Modestti & Pittol.

CELSO CUNHA AZEVEDO AGRADECE AÇÃO DO SINCOR-RS EM FAVOR DA CONFRASOL

A diretoria do Sincor-RS recebeu o seguinte e-mail de Celso Cunha Azevedo, da Confrasol:

“Prezados Ricardo e equipe, boa tarde!

Primeiramente desejo destacar o elevado nível do evento de final de ano do Sincor-RS transcorrido na última sexta feira. O novo formato ficou realmente prático, funcional, elegante e muito aprazível. Nem vamos falar na qualidade da alimentação e bebes.

Somando a isto o fato de possibilitar que se reveja amigos que há muito tempo não se via, o coroamento foi a ação social que foi conjugada ao evento.

Na manhã do próprio sábado fizemos chegar aos mais de 30 internos da Creche SOS Casa da Acolhida de Canoas os mais de 150 kg de alimentos doados pelos participantes do evento.

Faço a divulgação, pois, é importante a todos que colaboraram saber que além da noite espetacular que tivemos ainda pudemos levar um prenúncio de um Bom Natal às crianças carentes da SOS. Realmente, não tem preço!”

Abraços a todos

Celso Azevedo – Confrasol

A RESPOSTA DO SINCOR-RS:

Estimado amigo Celso.

Queremos agradecer pelas gentis palavras de reconhecimento. Que Deus continue nos permitindo confraternizar e colaborar com o próximo. Cumprimentos pela tua dedicação nestas nobres causas.

Fraterno abraço,

Ricardo Pansera, Presidente do Sincor-RS

SINCOR-RS CONDENA PRETENSÃO DO SENADOR PAIM QUE DEFENDE ORGANIZAÇÃO DOS TRANSPORTADORES AUTÔNOMOS EM ASSOCIAÇÕES

O senador Paulo Paim (PT-RS) defendeu a aprovação de projeto que dá aos transportadores autônomos de cargas e pessoas o direito de se organizarem em associações e criarem um fundo para que o dinheiro arrecadado seja usado na prevenção e reparação de danos causados por acidentes, incêndio ou furto do caminhão.

Esse tipo de associação já existe, mas a Superintendência de Seguros Privados (Susep) tem movido ações para impedir a atuação delas nesse setor, explicou o senador.

Diante disso, muitos transportadores autônomos ficam sem qualquer tipo de proteção, pois, para terem retorno financeiro, as seguradoras tradicionais alegam que precisam oferecer o seguro para esses profissionais a preços muito elevados, acima da capacidade que os caminhoneiros têm para pagar, acrescentou o senador.

A proposta está agora em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), em que deve ser votada lá ainda nesta semana, segundo Paim.

O senador confirmou presença no Fórum Nacional de Mobilização pela aprovação desse projeto, a ocorrer em Torres (RS) no dia 13 deste mês. O evento, informou Paim, é organizado pela Associação dos Proprietários de Caminhões de Três Cachoeiras, no Rio Grande do Sul, e conta com o apoio da Federação Nacional das Associações de Caminhoneiros e Transportadores.

SINDICATO CONDENA A IDEIA

O Sincor-RS condena de forma veemente a pretensão do senador Paulo Paim. O parlamentar demonstra desconhecer totalmente os princípios mínimos do seguro. Nossa entidade manifesta estranheza pelo apoio dado pelo senador às entidades piratas, não reconhecidas pela Susep e sem sustentação legal.

Fonte: Da Redação e Rádio Senado – Waldemir Barreto/Agência Senado

A PROPÓSITO DE SEGURO PIRATA…

Várias entidades piratas estão oferecendo uma espécie de “proteção” para caminhões e até automóveis, fazendo parecer aos consumidores que é uma alternativa mais econômica que o seguro tradicional.

Dizem ser “proteção automotiva” e não “seguro”.

Algumas se constituem através de “associações” de motoristas e/ou proprietários de caminhões, outras se constituem como “cooperativas” de motoristas e/ou proprietários de caminhões. O princípio é o do mutualismo, da repartição dos prejuízos entre o grupo. Quando acontece um sinistro com um, o custo daquele sinistro é rateado entre todos do grupo, como se todos formassem um grande “condomínio”. É muito bonito, na teoria. Acontece que na prática é uma fria. Como eles cobram? Estipulam uma mensalidade inicial que, anualizada, corresponde a cerca de 50% do custo de uma apólice de seguro para o mesmo bem. Com isso, parece que o custo é muito vantajoso, já que é de “apenas” metade do custo de um seguro tradicional. Mas, a coisa começa a doer quando os sinistros começam a acontecer… É que aquela “mensalidade” que cada um paga serve para formar um fundo de reserva e para as tais “despesas administrativas” da associação ou cooperativa (para sustentar os espertos que as dirigem…). Os sinistros, (os prejuízos) à medida que acontecem, são rateados entre todos os associados. No começo o grupo até suporta e segue feliz… O bicho pega quando os sinistros, os acidentes e roubos começam a se avolumar e a cada mês os associados são chamados a aportar mais e mais dinheiro para pagar os prejuízos… Aí, a exemplo das pirâmides, os mais espertos pulam fora e os mais desatentos seguem pagando…
Cada sinistro é rateado entre todos do grupo. Ninguém sabe quanto vai ter que pagar de mensalidade no mês seguinte… O negócio é tão estúpido, o prejuízo eminente é tão claro, que é impressionante como tantos desatentos caem no golpe… Certamente levados pela sua ambição, pela velha lei de Gerson, de levar vantagem em tudo… Mais uma vez o barato sai caro. Neste caso, o que parecia barato sai muito, muito caro…

O fato é que, seja qual for a maquiagem e a pretensa legalidade das suas iniciativas, todas são na verdade PIRATAS. Estas tais “associações” não são seguradoras, não estão sob a fiscalização da SUSEP, não constituem reservas. Os desatentos que caem no conto não estão amparados por nada, nenhuma segurança jurídica, não são nem equiparados a consumidores já que não adquiriram uma apólice de seguro…

E o que é que o Corretor Profissional de Seguros pode e deve fazer?
Esclarecer aos seus amigos e clientes como funciona o golpe, protegendo-os de cair no conto do vigário…

E o que é que as entidades estão fazendo a respeito?
Muito. Dentro das possibilidades legais. Ao contrário do que alguns pensam, Sincor não prende nem manda soltar…

Nosso Sincor em conjunto com os Sindicatos dos demais estados e com a Fenacor vem trabalhando muito junto à SUSEP e ao Ministério Público, Receita Federal e Polícia Federal. Vários processos Brasil afora já foram instaurados.

Para conhecimento dos colegas, seguem alguns links com notícias sobre isso.
http://www.cqcs.com.br/noticia/sindicato-impede-atuacao-empresa-vendia-seguro-pirata/
http://www.cqcs.com.br/noticia/seguro-pirata-cooperativa-perde-mais-uma-batalha-na-justica/
http://www.cqcs.com.br/noticia/justica-instaura-mais-quatro-acoes-civis-contra-o-seguro-pirata/
http://www.cqcs.com.br/noticia/sincor-rs-toma-providencias-contra-o-seguro-pirata/
http://www.cqcs.com.br/noticia/justica-defere-mais-uma-liminar-contra-o-seguro-pirata-2/
http://www.cqcs.com.br/noticia/susep-e-sincor-rs-lembram-que-protecao-veicular-nao-e-seguro/

Vamos em frente!!!

Abraço,

André Thozeski, Corretor de Seguros

ALMOÇO DAS SEGURADORAS

TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO POPULARES ESTÃO SUSPENSOS POR 90 DIAS

A Superintendência de Seguros Privados (Susep) foi comunicada pela 4ª Vara Criminal de Pernambuco, por meio de ofício, sobre a suspensão, em todo o país, da comercialização dos títulos de capitalização da modalidade popular emitidos pela Aplub e Sulacap. A suspensão terá validade por 90 dias a partir de 11 de novembro, quando foi tomada a decisão judicial.

Após a comunicação da Justiça, a Susep decidiu suspender as análises de pedido de aprovação destes produtos para as empresas citadas. Os demais títulos de capitalização, inclusive os da modalidade popular de outras empresas, estão liberados para a venda.

A suspensão da comercialização dos títulos foi uma medida simultânea à Operação Trevo, desencadeada pela Polícia Federal e que desbaratou uma quadrilha que vinha operando com esses títulos. Na operação estão sendo investigados indícios de lavagem de dinheiro.

Fonte: Susep

FÓRUM INTERNACIONAL DE ALTA MEDIAÇÃO DE SEGUROS REÚNE 200 PROFISSIONAIS NO RIO

Cerca de 200 profissionais, incluindo as principais lideranças do mercado e formadores de opinião, participaram do II FAMA – Fórum Internacional de Alta Mediação de Seguros, realizado pela FENACOR, em parceria com o grupo espanhol ADI, no último dia 27 de novembro. O evento, que é considerado um dos mais importantes eventos mundiais do setor de seguros, recebeu também dirigentes de órgãos reguladores e de entidades de diversos países da América Latina e da Espanha.

Logo na abertura, o presidente da FENACOR e da Copaprose, deputado Armando Vergílio, disse que as fronteiras “estão caindo” e que é preciso intensificar a integração do mercado latino. Ele citou como exemplo o papel que pode ser executado pela Escola Nacional de Seguros. “A Copaprose pretende levar a cultura da Escola Nacional de Seguros a todos os países da região”, anunciou Armando Vergilio.

Já o presidente da Escola Nacional de Seguros e vice-presidente da FENACOR, Robert Bittar, destacou que, com a globalização, grupos internacionais trouxeram suas culturas para o Brasil e para a América Latina, mas que chegou o momento de se inverter esse processo. “Está na hora de se identificar os anseios da sociedade latina, que são diferentes daqueles observados nos países desenvolvidos”, observou Bittar.

Por sua vez, o presidente da CNSeg e da Fides, Marco Antonio Rossi, frisou que o Brasil vive um “momento especial” de integração com a América Latina e que essa aproximação pode representar uma grande oportunidade para se ter um “mercado mais sólido”.

Ainda na abertura, o CEO do grupo ADI, Pasqual Llongueras, afirmou que o Brasil reúne todas as condições para liderar as “revoluções” que ocorrem no mercado latino americano. “Temos o desafio de ajudar a construiu um mundo diferente e muito melhor”, salientou.

MARCO ANTONIO ROSSI

Na conferência de abertura do II FAMA, o presidente da CNSeg e da Fides, Marco Antonio Rossi, acentuou que o mercado brasileiro aumentou sua participação no PIB local de 1% para 6% em 15 anos, graças à estabilidade na economia e ao pleno diálogo entre setor privado e órgãos reguladores.

Ele ressaltou, no entanto, que há muito espaço para avançar, pois o Brasil ainda consome poucos produtos e serviços do mercado de seguros. “O consumo per capita é apenas o 43º colocado no ranking mundial”, revelou.

Rossi citou como desafio maior do mercado brasileiro e latino atingir as classes mais pobres. Na avaliação dele, para vencer esse desafio, o setor precisa seguir a estratégia adotada pelos bancos. “Houve a bancarização. Nós devemos buscar a segurização”, frisou.

Segundo o presidente da CNseg e da Fides, no Brasil, há 152 milhões de pessoas sem seguros de saúde. Outras 125 milhões não contam com seguros de vida ou de acidentes pessoais. Além disso, não estão cobertos pelo seguro cerca de 58 milhões de residências, 38 milhões de veículos e 3 milhões de empresas. “não por acaso, seguradoras de todo o mundo querem estar presentes aqui”, acrescentou.

ROBERT BITTAR

O presidente da Escola Nacional de Seguros e vice-presidente da FENACOR, Robert Bittar, foi agraciado com o prêmio FAMA Internacional, pelos serviços prestados ao mercado.

Sem esconder a emoção pela homenagem, Robert Bittar se disse “surpreso, sensibilizado e agradecido” por esse reconhecimento e fez questão de dividir o prêmio com todos “que trabalham ao meu lado”.

PAINEL RESPONSABILIDADE DO CORRETOR DE SEGUROS

Robert Bittar participou também do painel que discutiu a responsabilidade do corretor de seguros na construção do mercado e no desenvolvimento social.
Nesse painel, ele acentuou o fato de o corretor ter assumido, de fato, o papel de principal consultor da sociedade.

Lembrou também que as regras ainda são as mesmas para vendas consultivas ou massivas e enfatizou a necessidade de se entender as mudanças que ocorrem no setor para que se possa buscar o aprimoramento contínuo dos canais de distribuição.

Bittar declarou ainda que é fundamental haver uma ação integrada entre corretores, seguradoras e reguladores para haver uma penetração maior do seguro.

JOAQUIM MENDANHA

Antes do encerramento do II FAMA, o diretor da FENACOR, Joaquim Mendanha, apresentou os principais temas discutidos no evento que, na avaliação dele, representou um “marco na história do mercado de seguros da América Latina”.
Para ele, todos os participantes saíram do encontro ainda mais próximos e unidos. “Isso significa que foram plantadas aqui as sementes que logo irão germinar e gerar os frutos que favorecerão não apenas o mercado de seguros, mas toda a população da América Latina”, frisou.

Mendanha salientou ainda que, após a intensa troca de experiências registrada ao longo do evento, todos estavam prontos para absorver, uns dos outros, as “melhores práticas para o desenvolvimento e crescimento sustentado da indústria do seguro”.

WESTENBERGER

No último painel do II FAMA, que discutiu o tema “Mercado regulamentado, regulado como Europa ou Mercado aberto?”, o superintendente da Susep, Roberto Westenberger, falou sobre o papel da autarquia e da importância de se manter o equilíbrio financeiro no setor para garantir a proteção do consumidor e o desenvolvimento do mercado.

“Sou ferrenho defensor do Solvência II, que irá vigorar na Europa a partir de 2016. É um modelo à prova de xenofobias e devemos usá-lo como exemplo para o Brasil”, frisou.

Westenberger salientou que defende um modelo de supervisão do mercado “baseada em riscos” e defendeu ainda a importância da total transparência no setor. “Não há o que esconder do público”, completou.

PROJETO QUE FIXA PRAZO DE 30 DIAS PARA SEGURADORA PAGAR INDENIZAÇÃO DEVE IR À CÂMARA

Em turno suplementar, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou, nesta terça-feira (2), projeto que fixa em 30 dias o prazo máximo para as seguradoras pagarem indenizações por morte ou invalidez permanente a segurados ou seus beneficiários. Se não for apresentado recurso para votação em Plenário, a matéria segue para a Câmara dos Deputados.

O texto aprovado é um substitutivo do senador Jayme Campos (DEM-MT), que reduziu para 30 dias o prazo máximo para pagamento das indenizações pelas seguradoras, contados a partir da entrega dos documentos que comprovam a ocorrência do sinistro. O autor do projeto (PLS 179/2011), senador José Pimentel (PT-CE), previa prazo de 60 dias, mas concordou com a mudança proposta pelo relator.

Segundo Jayme Campos, a legislação em vigor não estabelece prazo para liquidação de sinistro, mas informa que a sugestão feita por ele no substitutivo segue regulamentação do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), que fixa esse prazo em 30 dias.

Ao justificar o projeto, o autor disse serem frequentes as dificuldades de segurados e beneficiários de seguros de vida e de acidentes pessoais em receber o que lhes é devido em função da morte do segurado ou de eventos que lhes levam a invalidez permanente.

Pimentel afirma que, além da fragilidade em que se encontram com o luto pela perda do ente querido ou com a angústia da invalidez, os clientes dessas seguradoras enfrentam exigências desproporcionais e dificuldades para receber a indenização, razão pela qual ele pretende mudar o Decreto-Lei 73/1966, ao qual se subordinam todas as operações de seguro privado realizadas no país.
Juros

No substitutivo, o relator estabelece que o não pagamento da indenização ou do capital segurado no prazo previsto implicará juros de mora conforme regulamentação do Conselho Nacional de Seguros Privados. Pimentel havia proposto juros de mora de 1% ao mês sobre o valor da indenização devida, mas prevaleceu regra do conselho, ou seja, correção conforme percentual previsto em contrato firmado com o segurado ou, caso não haja essa previsão, uso do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Jayme Campos também modificou o texto original para explicitar o direito da seguradora de solicitar documentos complementares ao segurado ou beneficiário para comprovação do sinistro. Nesse caso, o prazo para pagamento de indenização será suspenso, voltando a ser contado a partir da entrega da documentação solicitada.

Fonte: Agência Senado

MBM realiza encontro de conhecimento integrado

O MBM Seguro de Pessoas promoveu, no dia 28 de novembro, o 1º Encontro de Conhecimento Integrado da Diretoria Operacional. O evento reuniu colaboradores, na sede do Grupo, em Porto Alegre, para troca de informações sobre os aspectos legais que envolvem o negócio de seguros.

O assessor jurídico, Julio de Carvalho Machado, e o gerente jurídico, Rafael Kalil dos Santos, palestraram sobre os aspectos legais que norteiam os procedimentos operacionais. Conforme a gerente de regulação, Caróli Trindade Leite a iniciativa do evento partiu da necessidade de aporte jurídico para garantir a atuação segura, preventiva e qualificada das atividades desenvolvidas pelas áreas técnicas. “O encontro foi proveitoso e pudemos sanar algumas dúvidas quanto à lei e jurisprudências que impactam diretamente na atuação operacional e nos negócios”, diz.

Fonte: Cristina Cinara Jornalista MTE 01923 SC

LEITURA INDICADA: Como agir com pessoas que falam mal de você pelas costas

Quem possui uma marca pessoal forte tem uma certa blindagem perante cenários nebulosos. Com toda certeza, as pessoas pensam duas vezes antes de propagarem bobagens sobre alguém que tem crédito no mercado. Destarte, é fundamental trabalharmos nossa imagem, fazendo com que as pessoas vejam nossas virtudes e passem a nos olhar com deferência.

Siga lendo, clique aqui:
http://www.administradores.com.br/mobile/artigos/cotidiano/como-agir-com-pessoas-que-falam-mau-de-voce-pelas-costas/80037

Reunião Delegacia Sincor RS

convite reunião

Palestra em Santo ângelo

news_rangel_santo

Palestra em Passo Fundo

news_rangel_passofundo

Top