Destaques

CORRETORAS NO SUPERSIMPLES

Prezados colegas,

Pela quarta vez na história recente, um projeto de extremo interesse da nossa categoria vai à sanção presidencial, após ser aprovado na Câmara dos Deputados e ontem no Senado, por unanimidade dos presentes. Temos bons motivos para acreditar que, desta vez, será possível. A razão é simples: temos a nosso favor um aliado importante, a arma mais temida pelos governantes, o voto.

Para nosso orgulho e satisfação, o Senado manteve a mudança feita na Câmara em relação ao enquadramento de algumas atividades de serviços, como a corretagem de seguros, que passa da tabela de maior valor (tabela seis), criada pelo projeto, para a tabela três, de menor valor dentre as do setor de serviço. Essa emenda foi apresentada pelo deputado Armando Vergilio (SDD-GO), presidente licenciado da Fenacor, a quem coube também presidir a comissão que analisou a matéria, na Câmara.

Agora, falta a sanção presidencial, o que deve ocorrer em 15 dias.
Convocamos, então, toda a categoria visando ao acompanhamento desse processo de sanção.

A FENACOR e seus Sindicatos filiados estão mobilizados, porém, para o êxito precisaremos do seu engajamento.

Faça sua parte, cobre dos Governantes, envie e-mail de reivindicação para os seguintes endereços:

1 - casacivil@planalto.gov.br - Casa Civil da Presidência da República
2 - gabinete.df.gmf@fazenda.gov.br - Gabinete do Ministro da Fazenda, Guido Mantega
3 - sicplanalto@planalto.gov.br - Secretaria Geral da Presidência da República

Vamos mostrar a união e a força da categoria dos Corretores de Seguros. Afinal, somos 72.000 profissionais formadores de opinião, que somados a familiares e funcionários representamos mais de 300 mil votos.

A partir de agora, temos um lema, ou mais que isso, um mantra que deve ser propagado nas redes sociais, nas conversas com amigos e familiares e nos contatos com clientes e outros relacionamentos profissionais: “PRESIDENTA, PELO VOTO NÃO VETE”.

Vamos iniciar essa corrente por todo o nosso País. Uma corrente contra o veto. Temos que nos unir para não perdemos mais esta oportunidade.

Não se omita, participe.

Robert Bittar
Presidente em Exercício

FENACOR - Federação Nacional dos Corretores de Seguros Privados e de Resseguros, de Capitalização, de Previdência Privada e das Empresas Corretoras de Seguros e de Resseguros.

Aprovada ampliação do Supersimples. Corretores de seguros estão incluídos

O Plenário do Senado aprovou, nesta quarta-feira (16), projeto de lei que universaliza o acesso do setor de serviços ao Simples Nacional (Supersimples), regime de tributação simplificado para micro e pequenas empresas (PLC 60/2014).
De autoria do deputado Vaz de Lima (PSDB-SP), a proposta cria uma nova tabela para serviços, com alíquotas que variam de 16,93% a 22,45%. Com o acesso geral, entram no regime de tributação, por exemplo, serviços relacionados à advocacia, à corretagem e à medicina, odontologia e psicologia. A nova tabela criada pelo projeto entrará em vigor em 1º de janeiro do ano seguinte ao da publicação da futura lei.

O texto atribui ao Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) a função de disciplinar o acesso do microempreendedor individual (MEI) e das micro e pequenas empresas a documento fiscal eletrônico por meio do portal do Simples Nacional e também estende a outras empresas facilidades já previstas no Estatuto da Micro e Pequena Empresa (Lei Complementar 123/2006).

O presidente do Senado, Renan Calheiros, ressaltou as vantagens da universalização do Simples para outros setores da economia.

CORRETAGEM NA TABELA 3

O Plenário manteve ainda mudança feita na Câmara em relação ao enquadramento de algumas atividades de serviços, como a corretagem de seguros, que passa da tabela de maior valor (tabela seis), criada pelo projeto, para a tabela três, de menor valor dentre as do setor de serviço.

Já os serviços advocatícios são incluídos na tabela quatro; e os decorrentes de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística ou cultural e a corretagem de imóveis são enquadrados na tabela três.

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) afirmou que a mudança trará reflexos positivos para a economia do país. Eduardo Suplicy (PT-SP) lembrou que o processo de negociação começou no Senado.

VALEU A MOBILIZAÇÃO 

Os três senadores gaúchos – Ana Amélia Lemos, Paulo Paim e Pedro Simon – votaram a favor do texto original. Foi a demonstração, mais uma vez, da força de nossa mobilização. O presidente do Sincor-RS Ricardo Pansera avaliou:

- Os corretores de seguros se mobilizaram mandando e-mails para a bancada gaúcha no Senado, de acordo com o pedido feito pelo sindicato. Assim como conseguimos uma vitória na Câmara dos Deputados, alcançamos outra no Senado.

O projeto agora irá para a sanção da presidente Dilma.

VENHA APRENDER SOBRE GESTÃO COM ERVINO SCHEEREN. EVENTO EXCLUSIVO PARA CORRETORES DE SEGUROS

O corretor Ervino José Scheeren, diretor da Poolseg Corretora de Seguros, de Teutônia, será o palestrante da Rodada de Negócios, no dia 28 de julho, a partir das 18h30min , no auditório do Sincor-RS em Porto Alegre. Este é um evento técnico exclusivo para os corretores de seguros e o tema da sua exposição será “Gestão da Corretora”. Ele vai compartilhar seus conhecimentos com os participantes.

Será o momento em que corretores falam para corretores, sem seguradoras, palestrantes ou consultores. O Sincor-RS coloca em prática um modelo inédito de cooperação entre colegas, atendendo a solicitação de alguns corretores que desejam um evento com participação exclusiva dos corretores.

Jorge Jaeger, diretor de Formação Técnico Profissional e Cultural do Sincor-RS, explica:

- O objetivo da Rodada de Negócios é desenvolver um espírito de cooperação, onde colegas ajudam colegas a crescer e fortalecer nossa categoria profissional. O Ervino tem uma experiência muito importante para transmitir aos interessados.

LIMITE DE PARTICIPANTES 

O evento é gratuito, mas limitado a 40 participantes. O Sincor-RS solicita que os participantes levem um quilo de alimento não perecível para doação. Os itens arrecadados serão encaminhados a uma instituição de caridade.

SERVIÇO

Dia 28/07 a partir das 18h30 min no auditório do Sincor em Porto Alegre.
Informações pelo fone (51) 3225.7726.
Inscrições: sincoreventos@sincr-rs.org.br

QUEM É O EXPOSITOR

Ervino José Scheeren é diretor da Poolseg Corretora de Seguros, de Teutônia, criada em 28 de novembro de 1995. A empresa tem como foco que a compra de um seguro é mais do que uma simples relação comercial. Envolve a confiança que o cliente deposita no corretor. Assim, conquistar cada cliente tornou-se um dos seus maiores objetivos.

A Poolseg ganhou uma edição do MPE Brasil – Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas na categoria Serviços. O prêmio é resultado de parceria entre Sebrae, Movimento Brasil Competitivo (MBC), Gerdau e Fundação Nacional da Qualidade (FNQ).

ADESÃO AO PGQP

A empresa comercializa produtos como seguros de vida, para carros e residências. Os rumos dos negócios começaram a mudar em 2002, quando a Poolseg aderiu ao Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade (PGQP) e passou a seguir os pilares de excelência da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ).

- Queríamos nos firmar diante da concorrência – lembra Ervino , que trabalhou 20 anos no setor calçadista antes de enveredar pelos seguros.

A empresa contratou uma consultoria e passou a ter o foco no planejamento estratégico. Por viver numa cidade pequena, onde todos se conhecem, não podia errar. A partir da adoção dos critérios de qualidade, observaram-se uma série de resultados no cotidiano da Poolseg. As vendas cresceram 110%, de 2003 a 2007. Enquanto o resultado líquido da corretora em 2003 foi de 4,46%, em 2007 este índice saltou para 18,4%.

BANCO DE DADOS

Dentro do foco no planejamento, Ervino revela que se vale de um banco de dados da Poolseg com registros desde o primeiro cliente atendido pela corretora:

- É o maior patrimônio da empresa e que permite gerar qualquer tipo de indicador. Nosso planejamento é bem analítico. Definimos metas realistas e que levamos a sério -, revela.

Outra iniciativa da Poolseg para aprimorar suas atividades está em pesquisas junto aos clientes. Há uma pesquisa anual, uma de pós-venda e outra de pós-sinistro.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

INSCRIÇÕES PARA O 9º ENCONTRO FEMININO: AGORA SOMENTE PARA LISTA DE ESPERA

A duas semanas do maior e melhor evento destinado às mulheres corretoras de seguros do Sul do Brasil, inscrições, apenas na lista de espera, com prioridade para corretoras de seguros associadas ao Sincor-RS. As corretoras interessadas em participar deste evento devem contatar URGENTE com o departamento de eventos do Sincor-RS e buscar maiores informações sobre as últimas vagas existentes. Fone : (51) 3225.7726 ou pelo e-mail: sincoreventos@sincor-rs.org.br.

SINCOR-RS GARANTE TRANSPORTE GRATUITO PARA AS COLEGAS DO INTERIOR

As mulheres corretoras de seguros que moram fora de Porto Alegre e querem assistir ao 9º Encontro Regional Feminino de Corretoras de Seguros tem carona garantida pelo Sincor-RS. Ida e volta.

Liguem para outras colegas, mandem e-mails, usem o facebook, whatsapp e outros canais para combinar: juntem um grupo mínimo de dez mulheres e garantam carona numa van ou ônibus para ida e volta. Lembrem-se que é preciso É obrigatório informar o RG, Órgão expedidor e data de nascimento, por exigência do DAER.

Mobilizem-se! Fale com o delegado do Sincor-RS de sua região para organizar o transporte.

O perfil das mulheres à frente das maiores empresas do mundo

Entre as maiores empresas do mundo, listadas pela Fortune, 24 são comandadas por mulheres. Saiba o que elas têm em comum, além da responsabilidade

Entre as 500 maiores empresas do mundo, listadas pela Fortune este ano, 24 são presididas por mulheres. Esse é o maior índice da história. Há 16 anos, segundo dados da revista, apenas uma delas não era comandada por homens.

Se o recorte for ampliado para as mil maiores companhias, o índice de mulheres no cargo máximo mais do que dobra: são 51. Apesar de representar apenas 5% do total, as empresas dirigidas por elas geram 7% da receita total das organizações, somadas.

Com uma receita de 155 bilhões de dólares no ano passado, a Ford, liderada por Mary Barra, ocupa sozinha a 7ª posição entre as gigantes.

Os setores que mais têm profissionais do sexo feminino no topo da hierarquia são varejo (9 empresas), alimentos (7) e gás e eletricidade (5).

Resultados

De acordo com dados da Fortune, as companhias dirigidas por mulheres apresentam, inclusive, performance muito superior às que compõem o índice S&P 500, um dos mais importantes das bolsas norte-americanas.

A média de retorno gerado por essas empresas foi de 103,4 % durante o tempo em que as mulheres estiveram no comando. O S&P 500 apresentou uma taxa de retorno média de 69,5% para o mesmo período.

Apesar dos bons resultados, ainda é pequena a porcentagens de mulheres que são presidentes e, ao mesmo tempo, presidentes do conselho de administração das organizações. A fatia é de 31%.

Como elas chegaram lá

A maioria (82%) das presidentes chegaram ao posto por meio de recrutamento interno e apenas 39% possuem MBA. Grande parte delas (9) são graduadas em engenharia, 7 são economistas, 5 são contadoras, 5 administradoras e 4 psicológas.

Perfil

O levantamento mostrou também que, além das responsabilidades e dos estudos, as presidentes das maiores empresas têm aspectos pessoais em comum. Quase todas elas (93%) são casadas e 84% são mães.

Fonte: www.exame.com.br

Exame para corretores com inscrições abertas

O Exame para Habilitação de Corretores de Seguros, porta de entrada para quem deseja ingressar nessa carreira, já está com inscrições abertas, em Belo Horizonte (MG), Blumenau (SC), Brasília (DF), Campinas (SP), Curitiba (PR), Goiânia (GO), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Ribeirão Preto (SP), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Santos (SP), São Paulo (SP) e Vitória (ES).

O Exame será aplicado pela Escola Nacional de Seguros entre os dias 22 e 25 de setembro e as inscrições devem ser feitas até 8 de agosto, apenas pela internet. Os pré-requisitos são o ensino médio completo e a maioridade. Caso seja aprovado, o candidato poderá requerer junto à Susep o registro profissional.

Os interessados podem escolher entre sete opções de habilitação: Capitalização; Capitalização e Vida e Previdência; Capitalização e Demais Ramos; Vida e Previdência; Vida e Previdência e Demais Ramos; Demais Ramos; e Todos os Ramos. Mais informações podem ser conferidas no www.funenseg.org.br.

Fonte: Escola Nacional de Seguros

Vídeo: comprador bate Ferrari em test drive

Não é todo dia que alguém sai pra fazer um test drive em uma Ferrari California. Deve ser um momento bem especial na vida de um amante dos esportivos, ainda mais quando a intenção é a de comprar uma, realizar um sonho muitas vezes de infância.

Clique e veja:
http://www.estadao.com.br/jornal-do-carro/noticias/carros,video-comprador-bate-ferrari-em-test-drive,20068,0.htm

LEITURA INDICADA | “Holding familiar: é você no comando!”

Por Ivone Zeger*

Sócios, herdeiros, ou sócios-herdeiros: o importante é planejar a sucessão.
Se viver bem é uma arte, morrer bem é como realizar a obra-prima. A respeito disso entendem os que se empenham em viver da melhor forma possível, em todos os aspectos. E deixar às pessoas um legado é sem dúvida um mérito. Principalmente se tal legado contribuir para a plenitude da vida dos que ficam.

Assim, imaginar quando, como e em quais circunstâncias seus bens serão distribuídos é o início de uma caminhada que pode resultar numa obra muito bem acabada. Mas como realizá-la?

Ora, planejando!

Para quem tem vários imóveis ou ações em fundos de investimento, cotas de empresas, ou mesmo uma única empresa, mas que dela dependerá o futuro da família, o ideal é pensar seriamente no planejamento sucessório. Um leque de opções administrativas e jurídicas dá respaldo aos que decidem deixar a vida em ordem.

Um desses instrumentos é o holding familiar, cujas vantagens imediatas são contribuir para evitar conflitos familiares e a consequente dilapidação do patrimônio, além de baixar consideravelmente os custos com inventário. O objetivo principal é constituir uma estrutura para levar adiante a administração dos bens.

A palavra “holding” significa “guardar, controlar, manter” e, em termos corporativos, dizer que uma empresa é uma holding é justamente defini-la como uma sociedade gestora de participações sociais.

Para nós, aqui, estamos falando de um grupo de pessoas que formará uma sociedade para controlar seus bens. O “jeitão” dessa sociedade ficará por conta dos desafios que esse grupo terá pela frente. A holding familiar pode ser uma sociedade limitada ou anônima – de capital aberto ou fechado. Se a ideia for não dar brechas para a participação de pessoas alheias à família, o melhor é que seja uma sociedade limitada.

O controlador dos bens, ou seja, a pessoa que detém os bens e os passará adiante, deverá doar aos herdeiros as suas cotas da holding. E aqui passam a valer as regras de herança e sucessão. O doador deverá obrigatoriamente dispor de 50 por cento das suas cotas aos herdeiros necessários, em partes iguais. Os outros 50 por cento podem, eventualmente, serem doados, e para isso será necessário autorização expressa do doador e do cônjuge. Vale ressaltar que para funcionar de maneira positiva, é importante que todos os que detêm cotas tenham objetivos comuns.

Nesse caso, é importante que os herdeiros se atenham aos negócios e suas particularidades. Justamente para isso é que se antecipa a herança. Também como se faz nos testamentos, cláusulas são empregadas de maneira a dar garantias ao doador e à preservação dos bens. Assim, a cláusula de usufruto vitalício favorece o doador, não só mantendo recebimentos, mas também para preservar seu poder decisório. O doador pode lançar mão de outras cláusulas importantes para – digamos assim – cercar o patrimônio da holding. Elas são: impenhorabilidade, incomunicabilidade, reversão e inalienabilidade.

A impenhorabilidade determina que possíveis dívidas que façam os herdeiros não serão pagas com os bens doados, mas, detalhe, estes mesmos bens podem ser usados como garantia em relação às responsabilidades financeiras da holding. A incomunicabilidade impede que os bens passem a pertencer aos cônjuges de casamentos que os herdeiros necessários venham a contrair.

A reversão, o nome já diz, é a possibilidade do doador ter de volta os bens que ele determinar. Por exemplo, no caso de falecer o donatário, ou seja, aquele que recebeu a doação, a cláusula de reversão determina que o bem volte ao doador. Esta cláusula é definida no documento de doação e, por meio de uma averbação, passa a constar na escritura, documento este que contém todo o histórico do imóvel.

Já a cláusula de inalienabilidade pode ser definida em testamento ou no documento de doação e impede que aquele que receber o bem possa vendê-lo. A criação de uma holding não é a única maneira de realizar o planejamento sucessório. Ele pode ser feito por meio de testamento. Ocorre que, normalmente, as pessoas comentam o que desejam fazer, prometem dispor de seus bens aos filhos, ou seja, realmente têm a intenção de ordenar seu legado. Mas não o fazem! A maioria dos que efetivamente fazem seu planejamento sucessório confirma a sensação de tranquilidade, algo como a sensação de “missão cumprida”. Especialmente na atualidade, em que não raro casa-se mais de uma vez, o planejamento é cada vez mais necessário.

E não se trata apenas de realizar um testamento, utilizando ou não as cláusulas citadas acima. Deve-se, inclusive, resolver pendências com ex-cônjuges, como concretizar materialmente a partilha dos bens imóveis, por exemplo, determinada no divórcio. Outra medida importante é certificar-se de que os filhos de um e de outro casamento terão direito a partes iguais de seus bens, assegurando esses mesmos bens contra terceiros. Doações em vida são bastante comuns e tendem a diminuir as tensões, especialmente no caso de filhos de mais de uma união.

Na verdade, no mundo jurídico, oportunidades para viver com mais tranquilidade não faltam. É preciso apenas identificá-las e utilizá-las. E, de preferência, utilizá-las no tempo certo!

* Ivone Zeger - é advogada especialista em Direito de Família e Sucessão. Membro efetivo
da Comissão de Direito de Família da OAB/SP; é autora dos livros “Herança: Perguntas 
e Respostas” e “Família: Perguntas e Respostas” www.ivonezeger.com.br

Palestra em Santa Cruz do Sul

santa cruz

Palestra em Pelotas

Pelotas

COLEGAS LOTAM AUDITÓRIO DO CIEE PARA ASSISTIR À PALESTRA “MERCADO AUTO – AMANHÃ, MELHOR DO QUE HOJE”


Mais imagens em Galeria de Fotos

Um expressivo número de corretores compareceu ontem à noite (14) no auditório do CIEE, em Porto Alegre, para assistir à palestra “Mercado Seguro Auto – Amanhã, Melhor do que Hoje”. Foi uma promoção conjunta Sincor-RS e HDI Seguros. Os expositores foram Julio César Rosa, diretor Regional da companhia; Paulo Milanez, diretor de Marketing da matriz; Giovani Menger, gerente da filial de Porto Alegre e Alexandre Daniel Rick, gerente da filial de Novo Hamburgo.

Mais uma vez, o corretor de seguros atendeu ao convite do seu sindicato, compareceu ao evento e mostrou seu interesse pelo aperfeiçoamento profissional.

PRESTIGIE A SEGUNDA EDIÇÃO DO EVENTO EXCLUSIVO PARA CORRETORES DE SEGUROS, COM PALESTRA DE ERVINO SCHEEREN

A primeira edição da Rodada de Negócio, no dia 12 de maio, foi um sucesso. Agora, o Sincor-RS convida os colegas para participem da segunda edição do evento técnico exclusivo para os corretores de seguros. Desta vez, o tema do encontro será “Gestão da Corretora”, a cargo do colega corretor de seguros Ervino José Scheeren, que vai compartilhar seus conhecimentos com os participantes.
Será mantido o mesmo formato em que corretores falam para corretores, sem seguradoras, palestrantes ou consultores: a Rodada de Negócios.

É um modelo inédito de cooperação entre colegas, atendendo a solicitação de alguns corretores que sinalizaram ao Sincor-RS desejarem um evento com participação exclusiva dos corretores.

Jorge Jaeger, diretor de Formação Técnico Profissional e Cultural do Sincor-RS, explica:

- Queremos desenvolver um espírito de cooperação, onde colegas ajudam colegas a crescer e fortalecer nossa categoria profissional.

O evento é gratuito, mas limitado a 40 participantes.

O Sincor-RS solicita que os participantes levem um quilo de alimento não perecível para doação. Os itens arrecadados serão encaminhados a uma instituição de caridade.

SERVIÇO

Dia 28/07 a partir das 18:30 horas no auditório do Sincor em Porto Alegre. Informações pelo fone (51) 3225.7726. Inscrições: sincoreventos@sincr-rs.org.br

ERVINO JOSÉ SCHEEREN

O expositor é diretor da Poolseg Corretora de Seguros, de Teutônia, criada em 28 de novembro de 1995. Desde então, graças a seus serviços, demonstrou que a compra de um seguro significa mais do que uma simples relação comercial. Envolve a confiança que o cliente deposita no profissional responsável pela venda. Para a empresa, conquistar realmente cada cliente tornou-se um dos seus maiores objetivos.

A corretora gaúcha ganhou uma edição do MPE Brasil – Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas na categoria Serviços. O prêmio resulta de parceria entre Sebrae, Movimento Brasil Competitivo (MBC), Gerdau e Fundação Nacional da Qualidade (FNQ).

ADESÃO AO PGQP

A empresa comercializa produtos como seguros de vida, para carros e residências. Os rumos dos negócios começaram a mudar em 2002, quando a Poolseg aderiu ao Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade (PGQP) e passou a seguir os pilares de excelência da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ).

- Queríamos nos firmar diante da concorrência – lembra Ervino , que trabalhou 20 anos no setor calçadista antes de enveredar pelos seguros.

A empresa contratou uma consultoria e passou a ter o foco no planejamento estratégico. Por viver numa cidade pequena, onde todos se conhecem, não podia errar. A partir da adoção dos critérios de qualidade, observaram-se uma série de resultados no cotidiano da Poolseg. As vendas cresceram 110%, de 2003 a 2007. Enquanto o resultado líquido da corretora em 2003 foi de 4,46%, em 2007 este índice saltou para 18,4%.

BANCO DE DADOS

Dentro do foco no planejamento, Ervino revela que se vale de um banco de dados da Poolseg com registros desde o primeiro cliente atendido pela corretora:

- É o maior patrimônio da empresa e que permite gerar qualquer tipo de indicador. Nosso planejamento é bem analítico. Definimos metas realistas e que levamos a sério -, revela.

Outra iniciativa da Poolseg para aprimorar suas atividades está em pesquisas junto aos clientes. Há uma pesquisa anual, uma de pós-venda e outra de pós-sinistro.

INSCRIÇÕES PARA O 9º ENCONTRO FEMININO: AGORA SOMENTE PARA LISTA DE ESPERA

Faltam 18 dias para o maior e melhor evento destinado às mulheres corretoras de seguros do Sul do Brasil e agora, inscrições, apenas na lista de espera, com prioridade para corretoras de seguros associadas ao Sincor-RS. As corretoras interessadas em participar deste evento devem contatar com o departamento de eventos do Sincor-RS e buscar maiores informações sobre as últimas vagas existentes. Fone: (51) 3225.7726 ou pelo e-mail: sincoreventos@sincor-rs.org.br

SINCOR-RS GARANTE TRANSPORTE GRATUITO PARA AS COLEGAS DO INTERIOR

Se você é mulher, corretora de seguros, mora fora de Porto Alegre e quer participar do 9º Encontro Estadual Feminino de Corretoras de Seguros, saiba que o Sincor-RS garante sua carona de ida e volta a Capital.

Liguem para outras colegas, mandem e-mails, usem o facebook para combinar: juntem um grupo mínimo de dez mulheres e garantam carona numa van ou ônibus para ida e volta. Lembrem-se que é preciso É obrigatório informar o RG, Órgão expedidor e data de nascimento, por exigência do DAER.

Mobilizem-se! Fale com o delegado do Sincor-RS de sua região para organizar o transporte.

Mulheres são as preferidas para comandar, diz estudo

Pesquisa mostra que as líderes do sexo feminino saem na frente quando o assunto é dar exemplo, apresentar resultados, reconhecer os erros e se comunicar.

No mundo todo, as pessoas preferem ser comandadas por mulheres. É o que aponta uma pesquisa da Ketchum divulgada nesta terça-feira.

O estudo está na sua terceira edição e contou com 6.509 respondentes de 13 países, inclusive o Brasil. Eles tiveram que indicar quem eles acreditam se sair melhor em uma série de atributos na hora de chefiar e as mulheres saíram na frente em cinco dos seis pontos.

No quesito liderança pelo exemplo, 57% apontaram que as líderes do sexo feminino têm um melhor desempenho, enquanto 43% citaram os homens. Sessenta e dois por cento disseram que elas se comunicam de forma aberta e transparente, enquanto 38% deram o crédito para eles.

Já em relação a reconhecer os erros, as mulheres foram lembradas por 66% e os homens por 34% dos pesquisados. Trazer à tona o que os outros têm de melhor também foi considerada uma característica feminina por 61% dos ouvidos, contra 39% que a atribuíram ao sexo masculino.

Os homens se deram melhor em duas características: a capacidade de tomar decisões difíceis (63%, contra 37%) e o desempenho como guia para os desafios dos próximos cinco anos (54% ante 46%).

“Crise” de liderança

De um modo geral, as pessoas andam decepcionadas com seus líderes, segundo a pesquisa. Nesse cenário pessimista, aqueles que estão à frente de empresas são os mais admirados. Porém, somente 29% dos respondentes acreditam que eles lideram bem, contra 34% que tinham a mesma opinião dois anos atrás.

Além disso, apenas 42% dizem que os líderes empresariais atuam dentro das expectativas, 35% os consideram comunicadores eficazes e só um terço (33%) afirma que eles têm valores claros.

No Brasil

Por aqui, 75% dos respondentes declararam que se comunicar bem é extremamente importante para uma boa liderança, mas só 41% deles dizem que seus líderes têm essa capacidade. Isso representa uma lacuna de 34% entre expectativa e realidade.

Considerando-se apenas os líderes empresariais, 39% dos brasileiros dizem que eles são bons comunicadores, uma queda de 10% em relação ao ano passado.

O levantamento também descobriu que a percepção das pessoas sobre os comandantes de empresas influencia na decisão de compra, no Brasil. Entre os ouvidos, 63% disseram que adquiriram menos produtos e serviços de uma marca por considerarem negativa a atuação dos líderes da companhia (ante 50% globalmente) e 68% (contra 45% no mundo todo) pararam de comprar pelo mesmo motivo.

Fonte: Luiza Melo, exame.com.br

Top